COVID-19 - não deixe de separar os resíduos

Este mês, a Comissão Europeia lançou uma recomendação para que operadores, empresas de gestão de resíduos e municípios continuem a fazer a recolha seletiva e a reciclagem de resíduos, apesar da situação de pandemia que se vive na Europa e no mundo.

Entre os clientes dos contentores Lasso, o município do Porto é um dos que não cancelou o processo de recolha seletiva durante este período. Através da Porto Ambiente, a autarquia continua a prestar o serviço de recolha seletiva de resíduos, incentivando os seus munícipes a separar o lixo na origem. A Porto Ambiente tem feito um esforço enormeno sentido da desinfeção e higienização dos ecopontos e contentores, garantindo o acesso seguro aos mesmos por partedos munícipes.

Uma gestão adequada dos resíduos faz parte dos serviços essenciais prestados  à comunidade. Na União Europeia (EU), em média, cada pessoa produz quase meia tonelada de lixo municipal por ano, o que significa que todas as semanas mais de 20 kg de lixo municipal são gerados por família. A produção anual total de resíduos na UE é de 5 toneladas per capita. De acordo com as “guidelines” expressas no documento da Comissão Europeia, prevenir distorções na gestão de resíduos, incluindo a recolha seletiva e a reciclagem de resíduos, é crucial para a saúde e segurança dos cidadãos, para o meio ambiente e para a economia.

“A continuidade geral de serviços adequados de gestão de resíduos urbanos, incluindo a recolha seletiva e a reciclagem, deve ser salvaguardada”, afirma, no documento, o comissário europeu para o Ambiente, Oceanos e Pescas, Virginijus Sinkevicius.

Neste documento, a Comissão Europeia fornece orientações com o objetivo de garantir um alto nível de proteção da saúde humana e do meio ambiente, enquanto previne e reduz as interrupções na prestação de serviços adequados de gestão de resíduos: Consulte AQUI o documento referido.

“Sabemos que, em Portugal, embora em alguns municípios a recolha seletiva tenha sido provisoriamente adiada devido à situação excecional provocada pelo surto de coronavírus, existem vários operadores e municípios que estão a envidar esforços constantes para garantir a continuidade das atividades de gestão de resíduos, incluindo a recolha seletiva e a reciclagem, essenciais para a economia circular”, afirma Pedro Martins da Costa, CEO da Sopsa.

Importa fazer aqui uma especial referência para as vantagens dos contentores enterrados e semienterrados Lasso de grande capacidade, preparados para armazenar grandes quantidades de resíduos, o que adquire ainda maior importância numa época em que se regista aumento de produção de RSU e se verifica, por vezes, algum atraso na operação de recolha. A compressão dos resíduos pelo seu próprio peso permite uma densidade superior relativamente aos contentores de superfície, o que aumenta a capacidade de armazenamento e diminui o número de viagens para recolha.  Por outro lado, as temperaturas mais baixas no subsolo retardam o crescimento de bactérias, contribuindo para a redução de odores, minimizando os impactos negativos em zonas residenciais.